Ligeiramente grávida

Fiquei buscando na internet dias a fio por uma música que falasse sobre a gravidez… sobre bebês e filhos tem várias, mas eu ainda não cheguei nessa fase e achei que isso anteciparia muito as coisas. Afinal, tenho que aproveitar os 9 meses de uma experiência, única, não é mesmo?

 

Pois é… aí fiquei imaginando uma música bem tocante, profunda, que falasse desse período, desse milagre que é gerar uma vida dentro de você… E descobri que não tem muitas assim.

 

Aí resolvi desencanar e escrever sobre outra. Foi quando a busca do Google tirou do fundo do baú essa música, pensei: “Essa é a música que vai tocar no Vitrola!”

 

Claro que corre em mim tooooda a poesia de estar grávida, mas se tem uma coisa que eu gostaria que minha filha conhecesse em mim é como eu gosto do ‘bom humor’ em tudo o que faço (apesar de os hormônios estarem me privando um pouco dessa ‘vibe’ ultimamente)

Então vamos lá. (o vídeo é antigo e a qualidade não é das melhores, mas vale para lembrar!)

  

Ligeiramente Grávida

Composição: BLITZ (Evandro Mesquita)

 

Puxa vida cara, mas que moto legal, hein?
É Metal, Heavy Metal…
Débil mental? Débil mental?
Não, Heavy Metal, Heavy Metal…
Ahh.. me leva?

Eu levo.. Mas eu levo de moto..
Uhh.. a natureza é tão natural…”

 

Mamãe eu acho que estou… ligeiramente grávida
Mamãe não fique pálida, a coisa não é ruim
Se lembre, um dia você já ficou assim (2x)

Uma tarde tão bucólica, eu tava melancólica
Parada de bobeira, na porta da escola, quando um motoqueiro me deu bola
Subi na Kawasaki, o coração fez tic tic tac…
Ali na lanchonete, pedi um Mac queijo, foi quando o carinha me tacou um Mac beijo
E eu correspondi o Mac beijo com um Mac abraço
A coisa esquentou mas logo esfriou, por que lá não tinha Bat espaço

 

Mamãe eu acho que estou… ligeiramente grávida
Mamãe não fique pálida, a coisa não é ruim
Se lembre, um dia você já ficou assim (2x)

 

Um cara tão romântico, e o oceano atlântico
E aquele motor, de mil cilindradas,  causa reações inesperadas
Desci da Kawasaki, o coração fez tic tic tac…
Eu leio Baduan , não uso sutiã, pra que que eu ia deixar pra amanhã (2x)

 

Mamãe eu acho que estou… ligeiramente grávida
Mamãe não fique pálida, a coisa não é ruim
Se lembre, um dia você já ficou assim (2x)

 

 

Esses dias assisti um programa que passa na MTV chamado “Grávida aos 16 anos” e acho que essa música cabe perfeitamente. Vi quando uma dessas meninas contou para a mãe que estava grávida e a reação da mãe foi imediatamente empalidecer… coitada!rsrsrs

 

Também vi isso acontecendo muito na minha adolescência, inclusive com a Kawasaki fazendo sucesso entre as meninas e meses depois, o fruto do passeio à mostra. Enfim, eu ainda peguei a fase em que isso era realmente incomum e as mães surtavam com a notícia. Infelizmente esses fatos estão cada vez mais frequente… Digo infelizmente porque as meninas são muito novas e deixam, ou no mínimo postergam muito o aproveitamento da vida, o aprendizado e suas conquistas com uma gravidez não planejada.

 

Enfim, obviamente as coisas aconteceram completamente diferentes comigo. Meus pais esperavam ansiosos pela notícia e estão vibrando!! Quem ficou pálida meeeeesmo com a notícia, fui eu mesma! Dá um medão! rsrs

Repartir o amor

Não posso esconder que gosto tanto das músicas do Nando Reis, que se não fosse ficar ‘over’, eu só colocaria suas canções aqui no blog…. que provavelmente se chamaria “Nando na Caixola” hahaha.

A escolha de hoje junta duas preferências minhas: O Nando Reis e a melodia cantada em dueto! Adooooro!

Vamos lá: (P.S.: vale entrar no Youtube e ver o vídeo oficial, que eu não posso incluir aqui. Veja esse link: http://youtu.be/rkAvi_FRKyI )

Pra Você Guardei o Amor

Composição: Nando Reis

Pra você guardei o amor que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar sentir sem conseguir provar
Sem entregar e repartir

Pra você guardei o amor que sempre quis mostrar
O amor que vive em mim vem visitar
Sorrir, vem colorir solar

Vem esquentar e permitir

Quem acolher o que ele tem e traz, quem entender o que ele diz
No giz do gesto o jeito pronto do piscar dos cílios
Que o convite do silêncio exibe em cada olhar

Guardei sem ter porque, nem por razão ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar

Achei vendo em você e explicação nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder, no fogo o gelo vai queimar

Pra você guardei o amor que aprendi vendo meus pais
O amor que tive e recebi e hoje posso dar livre e feliz
Céu cheiro e ar na cor que arco-íris risca ao levitar

Vou nascer de novo
Lápis, edifício, tevere, ponte
Desenhar no seu quadril
Meus lábios beijam signos feito sinos
Trilho a infância, terço o berço do seu lar

Guardei sem ter porque, nem por razão ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar

Achei vendo em você e explicação nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder, no fogo o gelo vai queimar

Pra você guardei o amor que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar sentir sem conseguir provar
Sem entregar e repartir

Quem acolher o que ele tem e traz, quem entender o que ele diz
No giz do gesto o jeito pronto do piscar dos cílios
Que o convite do silêncio exibe em cada olhar

Guardei sem ter porque, nem por razão ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar

Achei vendo em você e explicação nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder no fogo o gelo vai queimar

Gente!!!! Que música mais linda, mais profunda… tenho a impressão que trata-se de um momento de reflexão, de descoberta, sabe?? Como se a pessoa fosse sempre tão fechada no mundo dela, sem se expor, que quando descobriu como é bom amar e MOSTRAR esse amor, deleitou-se e musicou a descoberta!

Tô romântica demais, né? Mas como não estar após ouvir essa letra? Vou colocar alguns trechos para analisarmos. Ele começa dizendo que ele tinha um amor dentro dele, mas não sabia como mostrar, de um jeito só dele, mas então diz que aprendeu com a parceira, sem precisar de nenhuma explicação, porque o calor do amor, derreteu o gelo que lá havia:

Achei vendo em você e explicação nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder, no fogo o gelo vai queimar

 

E quando ele traz à tona ainda que o estoque de amor dele estava cheio, pois viveu isso com seus pais, com o amor recebido e armazenado para então doar livremente a outro. É um amor tão lindo e profundo que ele compara ao renascimento!!

Pra você guardei o amor que aprendi vendo meus pais
O amor que tive e recebi e hoje posso dar livre e feliz
Céu cheiro e ar na cor que arco-íris risca ao levitar

Vou nascer de novo 

Definitivamente acredito que o amor é solução pra muita coisa e que a falta dele é mesmo a razão de tantas coisas ruins. Eu tive a sorte de viver em uma familia em que o amor não só era presente, mas muito transparente e totalmente verbalizado. Cresci lendo cartas e cartões do meu pai para a minha mãe, que mais parecia escrito por um poeta… cresci ouvindo e dizendo “Eu te amo” para os meus pais e irmãos. Mais que isso, essa (boa) prática sempre levamos para fora, para nossos avós, tios, afilhados, amigos…. Mas o mais importante: sem banalizar essa frase, porque nós realmente sabemos o significado de ‘amar’.

Muitas dores, medos, ansiedades foram curadas por conta desse nosso amor.

Hoje grávida, já coloco isso em prática junto com o meu marido, quando falamos com o bebezinho aqui dentro da barriga! E o melhor foi ver que muitos dos nossos amigos e familiares, que talvez tambem tenham buscado ‘um jeito seu de se mostrar’, colocaram todo o seu amor e felicidade por nós de maneira professoral! Obrigada queridos!!

Não dá pra falar muito mais… a letra diz tudo. Fecho esse post com mais um trecho da música e com o pedido de releitura dela, para que possamos ‘repartir o amor’

Pra você guardei o amor que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar sentir,

sem conseguir provar, Sem entregar e repartir

Quem acolher o que ele tem e traz, quem entender o que ele diz
No giz do gesto o jeito pronto do piscar dos cílios
Que o convite do silêncio exibe em cada olhar